ProfiCiência - informação sobre profissões em ciência Conheça as carreiras científicas

O Laboratório de Nanotecnologia Computacional Inteligente da PUC-Rio está oferecendo para o próximo ano o curso de graduação em Engenharia de Nanotecnologia. É o primeiro curso do Brasil e na América Latina nessa área e o sexto no mundo.

O século XXI trouxe inúmeras mudanças na vida da sociedade. É inegável que estamos em plena revolução tecnológica, um processo tão significativo que pode ser comparado até mesmo à Revolução Industrial, que mudou definitivamente os rumos da humanidade. Nesse contexto, a nanotecnologia tem um papel de destaque, trazendo inovações impensáveis até poucos anos atrás. Acreditando no enorme potencial dessa ciência cada vez mais comentada, o Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio) está lançando seu novo curso: Engenharia em Nanotecnologia.

Embora outras universidades tenham planos de, em breve, oferecer o bacharelado, o curso é pioneiro na América Latina e está entre os dez primeiros criados no mundo voltado para engenheiros. Na verdade, o pioneirismo do CTC/PUC-Rio na área já veio em 2007, quando foi criada a Área de Concentração em Nanotecnologia no programa de pós-graduação do Departamento de Engenharia Elétrica.

"Há um cenário favorável à cooperação e integração científica em níveis de multidisciplinaridades pouco experimentados no passado. O CTC/PUC-Rio, mais uma vez, se antecipa, estendendo sua atuação acadêmica nesta nova área de inovação tecnológica, promovendo a sólida formação de profissionais especializados, aptos a realizar pesquisas e atuar profissionalmente seja em empresas de grande porte com interesse em nanotecnologia, como também em pequenas empresas empreendedoras que desenvolvam novas soluções com o auxílio da nanotecnologia", revela Marco Aurélio Pacheco, coordenador do novo curso.

Engenharia de Nanotecnologia: a profissão do futuro

O termo nanotecnologia começou a ser empregado em 1974, pelo pesquisador Norio Taniguchi, da Universidade de Tokyo. Foi a primeira vez que alguém utilizou a expressão - que tem origem da palavra grega "nano", que quer dizer anão (nanico), e faz referência ao nanômetro, tamanho aproximado da largura de 10 átomos de hidrogênio alinhados ou, explicando de outra forma, um bilionésimo de metro, quando falamos sobre a criação e manipulação precisa de materiais em escala nanométrica.

A incrível possibilidade de criação e manipulação da matéria em nível atômico e molecular propicia um processo de constante mudança na indústria. Com a facilidade trazida pela nanotecnologia no desenvolvimento de novos produtos e materiais - geralmente mais eficientes e baratos -, as empresas que não se reinventarem devem acabar "engolidas" pelo mercado.

Entre os produtos já existentes no mercado graças à nanotecnologia, podemos destacar pinturas com revestimentos de nano partículas contra arranhões e corrosão, roupas leves e confortáveis, porém, de alta resistência física e que bloqueiam radiações ionizantes, feitas a partir de polímeros nano estruturados, filtros solares com alto poder de absorção de raios UV, vidros autolimpantes, spray de vidro líquido que protege qualquer superfície de danos causados por água, radiação ultravioleta, sujeira, calor e bactérias.

"O impacto das inovações da nanotecnologia é inevitável e vai impulsionar diversos setores econômicos, como eletroeletrônica, energia, construção civil, biomedicina e proteção ambiental. Também devem fazer parte dessas mudanças áreas estratégicas, como segurança nacional, pessoal e patrimonial", comenta Pacheco.

Dados do relatório de prospecção tecnológica coordenado pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e organizado pelo Núcleo de Assuntos Estratégicos (NAE) da Presidência da República do Brasil indicam que, em 15 anos, o Brasil pode vir a ser responsável por US$ 10 bilhões do mercado nano tecnológico. Entre 2001 e 2006, o governo brasileiro investiu mais de R$ 170 milhões em pesquisas em Nanotecnologia e empresas como Petrobras, Vale,White Martins, Braskem, Quattor Petroquímica, Rhodia, Santista Têxtil e Boticário já investem nesse tipo de tecnologia. A tendência é que a busca por engenheiros com essa formação cresça significativamente nos próximos cinco anos.

O curso

O curso de Engenharia em Nanotecnologia, que está disponível no vestibular deste ano da PUC-Rio, terá início no primeiro semestre de 2011 e pode ser classificado como interdisciplinar, já que vai englobar áreas distintas como Biologia, Física, Química, Eletrônica, Computação, Ciência de Materiais e Engenharias. Ele formará profissionais preparados para o futuro da indústria e da pesquisa de tecnologia.

Ele segue o modelo básico do CTC/PUC-Rio, com Ciclo Básico - comum a todas as engenharias, onde o aluno recebe ampla formação científica -, e o Ciclo Profissional - equilibrado nas quatro áreas básicas de Física, Química, Elétrica e materiais. Através das disciplinas optativas e eletivas livres, o estudante pode direcionar sua formação para sua área de maior interesse e até mesmo obter, simultaneamente, outra habilitação.

Devido à multidisciplinaridade da grade curricular, o engenheiro em nanotecnologia terá uma base de conhecimento mais ampla, diferente dos cientistas, tecnólogos e engenheiros que trabalham com esse tema nos dias atuais. O profissional poderá ingressar em programas de pós-graduação e pesquisa na nanociência e nanotecnologia nas áreas de Física, Eletrônica, Materiais, Semicondutores e Bionanotecnologia.

Outro fator de atração para o aluno de nanotecnologia é o alto grau de empreendedorismo da área. Atualmente, a maior parte das empresas nascem incubadas em universidades e laboratórios de pesquisa, através da patente de produtos inovadores. Além disso, o Engenheiro em Nanotecnologia tem o perfil do líder nas indústrias de base e bens de consumo do futuro.